Consumidor, fique atento:

pecorban11

 

 

 

Os termos “Boi verde” e “Boi orgânico” não são sinônimos! 

O “boi verde” e o “boi orgânico” carregam, na denominação, o mesmo objetivo: divulgar o gado brasileiro nos mercados interno e externo como um boi ecológico. Mas os métodos de manejo de ambos guardam grandes diferenças.

O boi criado em sistemas agroecológicos (chamados de “orgânicos”), como explica a veterinária Maria do Carmo Arenales, é aquele criado em pasto sem agrotóxico e sem adubação química, tratado com medicamentos homeopáticos. É um boi ecológicamente correto. “A adubação a pasto é feita com esterco dos próprios animais”, afirma. Quanto às doenças, prevalece o princípio da prevenção do aparecimento das mesmas e, quando há problemas, utiliza-se a homeopatia até para combater moscas e parasitas como vermes e carrapatos. “Mas a vacinação contra aftosa é necessária, pois é obrigatória por lei.” O uso de sal mineral e inseminação artificial são permitidos, mas os antibióticos, proibidos.

Já o chamado “boi verde”, apesar de também valer-se da criação a pasto como nos sistemas agroecológicos, as semelhanças terminam aí. Uso de adubos sintéticos solúveis, de antibióticos e medicamentos alopáticos é permitido. E a suplementação alimentar feita no confinamento se vale de plantas (milho, cana-de-açúcar, por exemplo) originadas em sistemas convencionais de produção.

Veja, no quadro abaixo, as principais diferenças entre a obtenção dos chamados “boi verde” e do “boi orgânico”:

boi-orgacnico

Fonte: Jornal “O Estado de São Paulo”, 01/11/2000.

 

<< voltar